Anotações oníricas [Viagens ao dormir]

Posts Tagged ‘Dânia

Cleiton disse hoje de manhã: “Há sonhos e há os seus sonhos”. Achei bem bonito. Mas o dessa noite realmente fez a frase fazer sentido. hahahahahaha

– A gente morava na maior casa que já vi na vida: tinha duas piscinas, três cozinhas e quartos e salas eu perdi a conta. Uma cozinha era moderna e a outra era toda rústica, com panelas de barro e fogão de lenha;

– Amanda tomava banho de piscina, muito empolgada, como ela sempre fica em piscinas! E somente quando a via lá, pulando na água, eu me tocava que “agora vamos precisar ter uma pessoa para limpar essas piscinas!”;

– Na fachada da casa havia uma IGREJA! Não era uma capelinha, não. Era uma catedral, imensa, com escada e tudo para se chegar à entrada. E na escada estava rolando um show de Cauby Peixoto, hahahahaha;

– Dânia e Tatiana estavam impressionadas com a casa imensa. Dânia descobria, ao lado da igreja, uma placa. Nela dizia que a casa tinha pertencido ao Quidinho, filho de Euclides da Cunha e Anna de Assis, morto em um duelo com Dilermando. HAHAHAHAHA Eu ficava com medo depois dessa informação, cheguei a dizer que não moraria mais naquela casa.

Daí acordei. Há sonhos e há os meus sonhos. Jesus. hahahahaha

Anúncios

William, querido geminiano,
estreando em sonhos meus

Pela primeira vez nesse quase um ano em que nos conhecemos, sonhei com William. Perto do aniversário dele, bem no nosso inferno astral. O sonho foi bem real. Ele estava no Rio – onde está agora mesmo – e ligava perguntando umas coisas pra gente. Dicas de bar ou algo assim. William é uma presença tão necessária, que até sonhar com ele é bom demais.

Sonhei também com a minha escola. Que, entre uma sala de aula e outra, tinha vitrines de lojas. Como se fosse um shopping. Eu passeava pelos corredores, em busca da sala de Dânia. E achava.

Outra lembrança da noite é de um casamento na casa dos meus avós, no Turu. Atrizes da novela de Manoel Carlos, Lilian Cabral e Natália do Valle, perguntavam se as madrinhas iam entrar também com buquê de flores. Bizzaro. E, no meio da arrumação da casa para a cerimônia, eu encontrava um prato de salada murcha atrás da cadeira onde vovô se deitava para ver TV. Como se tivesse sido esquecida ali há semanas. Ou há meses.