Anotações oníricas [Viagens ao dormir]

Archive for the ‘Uncategorized’ Category

tumblr_my4j93Ztro1qhmdf2o1_500

Até os sonhos estão me dando o toque: ando apegada demais ao cabelo. Sempre gostei de cortar, pintar, mudar, usar essa parte do corpo para ter uma cara um pouco diferente a cada época. Não corto desde setembro de 2012, quase dois anos. E meu cabelo joãozinho virou uma cabeleira grande, pros meus padrões.

Essa noite, sonhei que aparecia com ele mais curto. Não joãozinho, mas chanel. Na altura do queixo. Todo mundo reclamava. Mamãe reclamava muito. No sonho, eu estava tranquila com o cabelo. Mas dizia para todos que protestavam: “Já estou deixando crescer de novo.”

A verdade é que estou adorando ele comprido. É a fase. Mas não gosto, aliás, detesto, o apego capilar. Sou mais eu que o meu cabelo. Preciso ser. Precisamos ser.

Anúncios

MOMENTO DE REVISÃO DAS IDÉIAS

Mercúrio na casa 12

DE: 19/05 (Hoje) , 16h39
ATÉ: 25/07 , 9h34 
Ocorrido anteriormente em: maio/2013

Neste período que vai de 19/05 (Hoje) até 25/07, você estará fechando o seu ciclo pessoal de Mercúrio, Fernanda! Esta é uma fase de repensar, de reavaliar sua vida de forma crítica. E para que tais reflexões sejam feitas com eficiência, caberá a você compreender que esta fase pede recolhimento, silêncio, introspecção. Este é um período necessário de auto-análise, e você estará se voltando com muita intensidade para este processo de autoconhecimento. Isso favorece leituras, terapias e, sobretudo, atenção aos sonhos. Seus sonhos estarão lhe passando mensagens especiais neste momento, Fernanda. Convém anotá-los, fazer uma espécie de diário e discutí-los com pessoas de sua confiança, a fim de tentar entender o que eles – os sonhos – estão querendo lhe dizer.

Cleiton disse hoje de manhã: “Há sonhos e há os seus sonhos”. Achei bem bonito. Mas o dessa noite realmente fez a frase fazer sentido. hahahahahaha

– A gente morava na maior casa que já vi na vida: tinha duas piscinas, três cozinhas e quartos e salas eu perdi a conta. Uma cozinha era moderna e a outra era toda rústica, com panelas de barro e fogão de lenha;

– Amanda tomava banho de piscina, muito empolgada, como ela sempre fica em piscinas! E somente quando a via lá, pulando na água, eu me tocava que “agora vamos precisar ter uma pessoa para limpar essas piscinas!”;

– Na fachada da casa havia uma IGREJA! Não era uma capelinha, não. Era uma catedral, imensa, com escada e tudo para se chegar à entrada. E na escada estava rolando um show de Cauby Peixoto, hahahahaha;

– Dânia e Tatiana estavam impressionadas com a casa imensa. Dânia descobria, ao lado da igreja, uma placa. Nela dizia que a casa tinha pertencido ao Quidinho, filho de Euclides da Cunha e Anna de Assis, morto em um duelo com Dilermando. HAHAHAHAHA Eu ficava com medo depois dessa informação, cheguei a dizer que não moraria mais naquela casa.

Daí acordei. Há sonhos e há os meus sonhos. Jesus. hahahahaha

Tem que acreditar

Tags: ,

Não paga nada ♥

Amanda e Dânia (Bibi), minhas loiras lindas lembrando que não custa nada… ♥♥

Imagem

 

Ontem dormi ouvindo Lou Reed. No dia que ele morreu, anteontem, me deu vontade de ouvir, mas não consegui. Ou não quis mesmo.

Daí o sono que veio, ao som do Transformer, me fez sonhar que tínhamos uma cachorrinha em casa. Ela surgia do nada, era yorkshire e se chamava Loulou. Assim mesmo que o nome dela era escrito, ela tinha isso em uma coleira.

Quando eu via Loulou, me espantava. “Cleiton, que cachorra é essa?”

Embaixo do computador, tinha um pratinho vazio, o dela. E ela sentia fome. Cleiton parecia já saber que ela estava conosco há um tempo, porque na mesma hora ia até a área de serviço e pegava um potinho – já na metade – com a ração dela. Ela sentia muita sede e eu me agoniava porque não tinha um pratinho de água.

Entre uma e outra providência para que a nova habitante se sentisse bem, eu insistia: “De onde surgiu essa cachorrinha?” E Cleiton acabava me contando que ela era dele, da época do primeiro casamento. Mas nem ele sabia como ela tinha ido parar ali.

Pra dar uma sacudida

Daydream, de Renee Nault