Anotações oníricas [Viagens ao dormir]

O último bilhete

Posted on: terça-feira, 8 junho, 2010

O suicida era realmente muito jovem. Seu rosto não aparecia, somente o braço ensanguentado jogado no ar, caído do lado esquerdo da cama. Em cima do criado-mudo, com uma letra feia, em um papel sujo de sangue, o bilhete. O último bilhete.

“Não sintam falta do que eu nem fui.
Nunca fui nada além que meus próprios esconderijos.”

Depois que li, assustada e triste, eu acordei.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: